Sociable

2009-03-23

Merda Acontece - Capitulo I

Trilha para a leitura

Paranoid Android - Ok Computer




Creep - Pablo Honey





Fake Plastic Trees - The Bends




Volto à intifada de escrever a cerca das merdas rotineiras que acontecem comigo e o Homer, acho que é muito digno além de falar de historias que algumas pessoas já ouviram contar fatos novos o fato que eu relarei agora diz respeito ao dia 22 de março de 2009(A.K Ontem).
Sabe aquele tipo de episodio de Series onde os personagens são tragados pra dentro de um filme ou jogo? Pois é me senti assim ontem, me encontrava abraçado ao meu querido travesseiro por volta das 20h assistindo euforicamente Apocalipse Now o Capitão Benjamin (Martin Sheen) e o Chef (Frederick Forrest) tinham acabado de ser atacados por um tigre e o Capitão estava dizendo a antológica frase “Never get out of the boat", quando o meu caro Homer me liga com a seguinte frase.
- Ricardo, to com um ingresso a mais para ver o show do Radiohead, começa às 22h... Vamos?
Toda a historia de não deixar o barco, ficou no modo de pausa, e calculando rápido eu na zona norte e ele na zona oeste de São Paulo, vamos pro meio,
- Estação Barra Funda daqui a uma hora.
Desliguei o telefone me troquei em tempo recorde, o ônibus passou assim que cheguei ao ponto e pouco depois das 21h eu estava no ponto de encontro e o Homer também, algo estava muito errado, eu e ele saindo de improviso e tudo dando incrivelmente certo? Pois é ai tem inicio nossa excursão Dantesca, o trem chegou à estação por volta de 21h20, e assim que abriu a porta eu e Homer entramos, e o ar estava praticamente palpável devido ao um forte cheiro de maconha que tomava conta do vagão inteiro e pra completar além do cheiro de marofa no ar dentro do vagão havia três pessoas e uma delas cantarolava euforicamente a musiquinha do Happy Tree Friends, não é bizarro o suficiente certo? E se fossem três travestis? Pois é, eram três travestis, e foram fazendo trocadilho com o nome das estações todo o percurso.
Saltamos do Trem na estação Domingos de Morais, e pegamos o outro trem que ia sentido ao nosso objetivo o Jockey Club.
- Homer aonde descemos?
- Segundo o Rod na Hebraica-Rebouças?
Descemos na Hebraica, atravessamos a ponte Eusébio Matoso, e por algum motivo que a lógica desconhece deduzimos que a entrada do Jóquei devia estar na Marginal Pinheiros, agora percebo que o raciocínio foi estúpido, mas no dado momento colocamos o pé na estrada e andamos todos os 1,7 km da vila hípica, beirando a marginal pinheiros, não sem antes meu caro colega Homer cair em um bueiro( que por sorte estava seco) e eu chutar dezenas de pequenos pedaços de viga no chão por sorte meu super allstar protegeu meus pés das topadas(ou não). Eis todo o percurso


Exibir mapa ampliado

Agora, adivinhem só? Pois é o show não era no Jockey Club e Sim na Chácara do Jockey, um erro que uma simples consulta ao nosso idolatrado Deus Google teria evitado. Outro mapinha para vocês meus caros, ponto A Jockey Club ponto B Chácara do Jockey.


Exibir mapa ampliado


Ao perguntar a um dos seguranças do Jockey Club sobre a chácara ele nos responde:
- Ó é uma travessa da Francisco Morato... segue pra lá ó. Como vocês podem bem analisar ele nos indicou uma distancia aproximada de 7 km como se fosse logo ali, e pra completar por que não? ...A direção errada, por sorte após caminhar um pouco na direção contraria encontramos um motoqueiro que estava trocando o outdoor de um daqueles relógios que também dão a temperatura, que por sinal indicava a hora de nosso senhor de 22h35, o show começaria às 22h e com sorte e um atraso rotineiro de 30 a 40 minutos não perderíamos muito (maldita Britanicos e sua pontualidade)
Desespero bateu, estávamos com os ingressos na mão e a viagem ia se aprofundando nos infernos circulares de Dante, eis que surge a idéia e o dedão esticado para parar um taxi, obvio que os primeiros quatro não pararam e no quinto após chorar e negociar conseguimos que a viagem fosse fechada por R$25,00 não importando a distancia, ele estimou R$30,00, mas no final das contas ele nos deixou por volta das 22h50min na porta da chácara com o taxímetro cobrando R$25,10... Pelo menos ganhamos 10 centavos, pois ele honrou sua promessa.
Entramos eufóricos eu correndo feito uma besta e o Homer ainda meio que mancando, pois a queda no bueiro havia esfolado o joelho esquerdo dele, entramos ouvindo gritos de euforia, assobios, "uhuus", palmas e uma figura que solitariamente gritava alternando entre as expressões "Puta que o pariu", "Vai tomar no cu" e "Caralho". O Show foi fantástico, tido como a melhor apresentação do grupo em toda turnê, contando com uma dobradinha de Paranoid Android e Fake Plastic Trees, que quase parou meus batimentos cardíacos, isto em parte também por que as pessoas ao nosso redor resolveram em um movimento único acenderem arvores que não eram de plástico e baforalas criando uma lindíssima nevoa em contraste com o show de iluminação. Voltarei a relatar sobre a Odisséia deixando para quem quiser detalhes a respeito do ótimo show que vimos ( ou pelo menos vimos parte dele) com este blog.

Pois é avalanche de dejetos não acabou com a ida, ainda tínhamos de voltar aos nossos domicílios. Andamos uns 200 metros da saída da chácara até um ponto de ônibus próximo, todas as 450 pessoas no ponto tinham a mesma idéia "entrar no primeiro ônibus que passar e ir para algum lugar", pegamos uma Praça Ramos(por sorte um lugar conhecido), meus caros eu vos digo não cabem 450 pessoas dentro de um ônibus, depois da 309º pessoa começou a ficar meio apertado, e por um incrível bom senso o motorista fechou a porta quem entrou quem não entrou sinto muito.
Era por volta de 2h da manhã quando estávamos na Av. Paulista esperando um ônibus que não iria passar e 2h20 quando desistimos e falamos,
-andaremos até algum lugar.
Uma hora e meia de caminhada depois chegamos ao terminal lapa, por mais incrível que possa parecer não ocorreu nada estranho nesse período caminhamos sem ser interrompidos, atrapalhados, atacados, molestados ou afins.



Exibir mapa ampliado


Eram quase 4h da manha e estávamos os dois no terminal lapa, e além de nós havia algumas pessoas dormindo esperando os primeiros ônibus, uns quiosques de lanche, os seguranças e um casal de mendigo que discutia aos berros com termos que não ousaria citar aqui nem mesmo usando aspas, ficamos uma hora assistindo ao embate dos mendigos,antes de o Homer ir para a fila do ônibus dele e eu para minha. Após entrar no ônibus imediatamente cai num sono maravilhoso sem sonhos que só foi interrompido por uma ligação do toco que desejava saber se ainda estávamos vivos, as 06h35min mais de 22horas depois estava de volta a minha Itaca, abracei meu travesseiro e dormi, acordei as dez para redigir esta postagem e recebo a seguinte saudação de meu caro amigo Homer:

" I may be paranoid, but not an android diz:
caralho q dor na perna. "

4 comentários:

~Lívia~ disse...

definitivamente, shit happens...
mas vejo que tem gente em situação pior que a minha! hahahahaha

=P

Cindy disse...

Meeeeeeeeu

Eu me senti caindo num abismo qdo vc relata q chegou no fim do show!
Não quero nem imaginar o q VCS sentiram...
História envolvente!
Mas...PUTZ! Vcs andaram pela eternidd da eternidd...Tem certeza q não postou do além?!

wakawakawaka (: disse...

andar faz bem pras pernas... pro seu amigo homer talvez nao...
mas enfim, eh sempre bom ter umas historias realmente bizarras e fora do normal pra contar por ai!
quando eu fui no show do muse foi um poco pior... mas foi nesse naipe ai!
besos.

Alexandre Q disse...

olha cara! essa sua epopéia merecia mais a trilha do indiana jones!!!! hahahaaha mas no final vc saio com sua integridade fiscia,somente um pouco abalada!!! hahahaah